Próximas sessões do Circuito MERCI, VARDA! acontecem nos dias 18 e 19 de junho, no Porto Iracema das Artes

Debates serão conduzidos respectivamente pela diretora de formação do Instituto Dragão do Mar, Bete Jaguaribe, e pela tutora do Lab Cinema, Nina Kopko.

O Circuito MERCI, VARDA! segue com a sua programação de exibições. As próximas sessões da mostra cineclubista acontecerão nos dias 18 e 19 de junho, terça e quarta-feira da próxima semana, no Auditório do Porto Iracema das Artes, sempre a partir das 19h. Serão exibidos os longas “La Pointe Courte” (1954), na terça, e “Cléo de 5 às 7” (1962), na quarta. Os debates serão conduzidos, respectivamente, por Bete Jaguaribe, diretora de formação do Instituto Dragão do Mar (IDM) e coordenadora do Curso de Cinema da Unifor, e por Nina Kopko, cineasta e uma das tutoras do Laboratório de Cinema do Porto Iracema.

Em “La Pointe Courte” duas narrativas se desenvolvem simultaneamente. Primeiro longa-metragem de Agnès Varda, o filme entrelaça uma espécie de documentário sobre os habitantes de uma aldeia de pesca e a história ficcional de um casal em crise. Da relação de forças entre personagens e o ambiente físico real, surge uma característica forte da obra de Varda: a poesia do espaço, que nunca é visto isoladamente, mas sempre em conjunto com os homens e as mulheres que o ocupam. “Cléo de 5 às 7” é um dos filmes mais importantes da Nouvelle Vague e um dos mais famosos da cineasta. Sob a atmosfera de Paris nos anos 60, sua narrativa é uma crônica sobre a vida de uma mulher que vaga pela cidade à espera do resultado de uma biópsia. Foi indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes, em 1962.

Toda a programação do Circuito MERCI, VARDA! é gratuita e pode ser conferida AQUI.

MERCI, VARDA!

Realizado pela Escola Porto Iracema das Artes, o Circuito MERCI, VARDA! ocupará diversos espaços da Cidade de 8 de junho a 26 de julho, em quase 50 dias e 21 sessões. A Mostra é uma homenagem à cineasta belga radicada na França, Agnès Varda, falecida no último mês de março, aos 90 anos. A ação é organizada pelo Cena Cineclube e pelo Cineclube Âncora exibirá, ao todo, 36 obras da cineasta, com debates conduzidos por mulheres do cinema e das artes em geral.

Na programação, serão realizadas sessões semanais, durante os meses de junho e julho, em espaços como o Porto Iracema, a Vila das Artes, o Centro Cultural Grande Bom Jardim, o Cuca Jangurussu, o Cineclube Ser Ver Luz (na comunidade do Titanzinho), o Cinema do Dragão e a Praia dos Crush (antiga Praia do Lido, numa parceria com o Instituto Iracema e o Centro Cultural Belchior).

Entre as mulheres debatedoras estão 24 artistas, professoras e pesquisadoras da obra de Agnès, que conduzirão as conversas em escolas, praias e nas periferias da Cidade. Integram este time Aline Albuquerque, Alessandra Marques, Beatriz Furtado, Bete Jaguaribe, Camila Vieira, Carolinne Vieira, Carolina Vieira, Cláudia Mesquita, Fabíola Gomes, Flávia Memória, Iana Soares, Janaína Marques, Kamilla Medeiros, Luciana Vieira, Lis Paim, Manoela Ziggiatti, Maria Helena Bernardes, Marília Oliveira, Mona Gadelha, Nina Rizzi, Nina Kopko, Rúbia Mércia, Sabrina Araújo e Virgínia Pinho.

SOBRE AS DEBATEDORAS

BETE JAGUARIBE

É professora universitária. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), onde também realizou seu Mestrado em História Social e a graduação em Jornalismo, profissão que exerceu até os anos de 1990. Neste período, iniciou sua experiência na área da gestão pública, com ênfase no audiovisual e na formação em artes. Tem larga experiência no campo da gestão pública de cultura, tendo coordenado projetos como Instituto Dragão do Mar de Artes e Indústria Audiovisual e Bureau de Cinema e Vídeo do Ceará. Na gestão do Ministro Gilberto Gil, ocupou a chefia-de-gabinete da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura. Atualmente, é diretora do Porto Iracema das Artes e coordena e leciona no Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade de Fortaleza (Unifor).

NINA KOPKO
Formada em Cinema pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atua nas áreas de direção, roteiro, preparação de elenco e montagem. Foi diretora assistente do longa-metragem A Vida Invisível de Eurídice Gusmão (dir. Karim Aïnouz, 2019), filme vencedor da mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes 2019, e também de O Silêncio do Céu (Marco Dutra, 2016). Fez a preparação de elenco do filme Dentes (Pedro Arantes e Júlio Taubkin, 2019) e a montagem dos documentários Operações de Garantia da Lei e da Ordem (Julia Murat e Miguel Ramos, 2017) e Nós (Pedro Arantes, 2018). Foi assistente de direção e colaboradora do roteiro de Guigo Offline (René Guerra, 2017), e também assistente de direção e pesquisadora de série HQ – Edição Especial (Angelo Defanti, HBO, 2016). Foi supervisora de desenvolvimento de projetos da produtora RT Features nos anos de 2014 e 2015. No momento, é tutora do laboratório de roteiros da Escola Porto Iracema das Artes, leciona na Academia Internacional de Cinema e trabalha no roteiro de diferentes séries e dos seus projetos pessoais de direção.

CONCURSO CULTURAL DE CARTAZES

Além das sessões, o Porto Iracema também realiza o Concurso Cultural de Cartazes que premiará a produção artística em torno da filmografia de Varda. O resultado do Concurso Cultural de Cartazes também será divulgado na sessão de encerramento da programação. Na ocasião, o 1º e 2º cartazes mais votados pelo público, por meio do site da Escola, receberão, respectivamente, os prêmios de 3 meses e 2 meses de acesso gratuito às sessões do Cinema do Dragão com direito a um acompanhante. As inscrições para o Concurso seguem até o dia 21 de junho. Para saber mais detalhes, CLIQUE AQUI.

Outros curtas de Varda ainda estão sendo exibidos numa instalação fixa no pátio do Porto, aberta até 31 de julho, e intitulada de “Mostra Curta Cartazes”. O espaço divulgará ainda os cartazes participantes do Concurso e que estarão disponíveis para votação do público por meio do site da Escola.

SOBRE VARDA

Agnès Varda nasceu em Bruxelas, Bélgica, em 30 de maio de 1928, como Arlette Varda. Seu pai era grego e sua mãe, francesa. Estudou História da Arte na École du Louvre antes de conseguir um emprego como fotógrafa oficial do Teatro Popular Nacional, em Paris. Neste período, incentivada pelos cineastas Chris Marker e por Alain Resnais, realizou seu primeiro longa-metragem, “La Pointe Courte” (1954), um ensaio sobre a vida de um casal numa vila de pescadores. Despontou ali como um dos grandes nomes do cinema francês.

Seu trabalho é precursor da nouvelle vague francesa, pois suas primeiras obras claramente apresentam as tendências estéticas mais tarde adotadas pelos homens diretores daquele movimento. Casada com o também cineasta Jacques Demy – sobre quem realizou os filmes “Jacquot de Nantes” (1991) e “O Universo de Jacques Demy” (1995) – Varda construiu uma carreira extremamente prolífica e eclética. Somando mais de 50 obras produzidas, entre curtas e longas-metragens, além de trabalhos instalativos, realizou documentários por encomenda, como “Ó Estações, ó Castelos” (1958), e projetos mais pessoais, como os magníficos “Os catadores e eu” (2000) e “As praias de Agnès” (2008), além filmes de ficção clássicos na história do cinema, como “Cléo das 5 às 7” (1962), “As duas faces da felicidade” (1965), entre outros.

Em 2019, Varda se despediu do mundo e do cinema com o seu último filme, “Varda por Agnès”, um testamento cinematográfico daquela que é uma das maiores artistas de todos os tempos.

SERVIÇO

O que: Próximas sessões do Circuito MERCI, VARDA! acontecem nos dias 18 e 19, no Porto Iracema

Quando: Terça e quarta-feira, 18 e 19 de junho de 2019, a partir das 19h

Onde: Auditório do Porto Iracema das Artes (R. Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema)

Veja a programação completa AQUI

GRATUITO

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Myke Guilherme

Publicado em: 14/06/2019

Atualizado em: 14/06/2019 às 16h53

Atualizado em: 17/06/2019 às 15h55