Porto Iracema recebe o projeto “Nó(s) – ações para uma gira cênica”, que evidencia processos criativos pautados nas ritualidades afro-brasileiros

Desmontagem de espetáculo, vivência com atores e roda de conversa compõem a programação, que será realizada nos dias 10, 17 e 24 de junho no Porto

Manifestações de rituais afroindígenas brasileiros no foco do debate teatral. Durante três segundas-feiras de junho, o Porto Iracema das Artes, por meio do Laboratório de Teatro, recebe o projeto “Nó(s) – ações para uma gira cênica”, desdobramento do espetáculo Nó, criação coletiva de Edivaldo Batista, Flávia Cavalcante e Marina Brizeno sob a direção de Edivaldo Batista. Em três ações gratuitas e abertas ao público, o Projeto traz as manifestações ritualísticas afro-indígenas brasileiras como pano de fundo.

A primeira delas, “Ponto Riscado” é uma vivência com os atores a partir dos elementos ritualísticos que compuseram a pesquisa de criação do espetáculo. Destinado a atores e estudantes de Artes Cênicas, a atividade acontecerá na Sala de Teatro do Porto, de 18h30min às 20h30min do dia 10 de junho, e tem limite de 20 pessoas, com inscrições a serem realizadas por ordem de chegada. Já a segunda ação, “Ponto Desatado”, é um ensaio-desmontagem do espetáculo Nó, e acontecerá às 19h do dia 10 de junho, na Sala de Teatro do Porto.

Por fim, a última ação, “Ponto Firmado”, é uma roda de conversa sobre processos criativos pautados nos elementos ritualísticos das manifestações religiosas afro-indígenas. Participarão da roda, que acontecerá às 19h do dia 24 de junho, no Pátio da Escola, o próprio Edivaldo Batista, diretor do Espetáculo Nó, ao lado de Faeina Jorge, diretora do espetáculo Obirin, e de Pedro Silva, integrante do Coletivo Negrada.

O processo de construção de Nó teve início em 2018, como continuidade dos trabalhos de investigação de cena que o ator Edivaldo Batista, diretor do espetáculo, desenvolve a partir das referências corporais, ritualísticas e mitológicas encontradas nas manifestações de culto afro-brasileiros. Realizado junto às atrizes Flávia Cavalcante e Marina Brizeno, o trabalho parte do interesse nos ritos e elementos que constituem a macumba e a umbanda.

Sobre o espetáculo Nó
“Nó” é um mergulho poético, cênico e experiencial nas manifestações ritualísticas de matrizes afro-brasileiras, tendo como enfoque elementos de rito ligados a umbanda e a macumba, que constituem uma parte da memória cultural do País. O trabalho estabelece uma conversa com uma corporeidade oriunda de corpos em estado de festa/transe que se observa nos lugares de ritos: Pretos Velhos, Exus, Cabocla.
Edivaldo Batista, Flávia Cavalcante e Marina Brizeno constroem um enredo cênico que tem como pontos de partidas a festa, o rito e o mito como bases para a construção de um terreiro cênico. A festa como provocativo para a construção de um corpo brincante, o rito como provocativo para a investigação dos materiais encontrados no processo ritualístico do candomblé, umbanda e macumba (canto, elementos ritualísticos, espaço e chefias), e o mito como provocativo para compreensão da natureza narrativa das entidades dessas matrizes religiosas.

Serviço
O quê: Vivência Ponto Riscado – Projeto Nó(s) – ações para uma gira cênica
Quando: Segunda-feira, dias 10 de junho, de 18h30min às 20h30min
Onde: Sala de Teatro do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, nº 160 – Praia de Iracema)
GRATUITO*
*20 vagas a serem preenchidas por ordem de chegada

O quê: Desmontagem Ponto Desatado – Projeto Nó(s) – ações para uma gira cênica
Quando: Segunda-feira, dias 17 de junho, às 19h
Onde: Sala de Teatro do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, nº 160 – Praia de Iracema)
GRATUITO

O quê: Roda de conversa Ponto Firmado – Projeto Nó(s) – ações para uma gira cênica
Quando: Segunda-feira, dias 24 de junho, às 19h
Onde: Pátio do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, nº 160 – Praia de Iracema)
GRATUITO

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Lucas Casemiro
Publicado em 30/05/2019