Porto Iracema das Artes anuncia Helena Vieira como Assessora para Cultura da Diversidade na Escola

A pesquisadora, transfeminista e escritora, que participou do Laboratório de Teatro 2019, iniciou os trabalhos em setembro deste ano. Além de ações formativas para os funcionários, estão previstas atividades voltadas para o público externo

Os sete anos do Porto Iracema das Artes chegaram trazendo novidades. Desde setembro, a Escola passou a contar com a Assessoria para Cultura da Diversidade, que tem à frente a pesquisadora, transfeminista e escritora Helena Vieira, integrante do Laboratório de Teatro, em 2019, com a pesquisa dramatúrgica “Onde estavam as travestis durante a Ditadura?”. Até dezembro, está prevista uma série de ações voltadas para os funcionários e, também, para o público externo.

Com experiência em consultoria para diversas empresas, como SaferNet, Google e Ypióca, Helena conta que o convite para assumir a Assessoria surgiu após uma série de diálogos e mediações que ela já vinha realizando com a diretoria e as coordenações dos Laboratórios de Criação e de Teatro, durante o período em que desenvolveu seu projeto artístico. “O convite veio por parte da [diretora da Escola] Bete Jaguaribe. Nós desenhamos essa função juntas, como é que seria feito, o que seria feito. Isso é muito importante: nasce de um compromisso radical que a Bete expressa em responder às demandas sociais e também de construir um espaço mais diverso mesmo”, explica.

Assim, a Assessoria para Cultura da Diversidade surge de forma transversal, no sentido que atravesse as diversas coordenações e áreas administrativas da Escola. “A ideia é justamente conseguir implementar políticas, programas, realizar adequações, formações, treinamentos, lidar com situações que venham a acontecer e envolvam questões LGBT’s, passando pelas questões de raça, passando pelas questões da pessoa com deficiência, passando por um conjunto de situações outras”, afirma Helena, enfatizando que o objetivo é criar um espaço em que as diferenças não se convertam em desigualdades.

Segundo Helena, no escopo da Assessoria para Cultura da Diversidade, estão incluídas atividades formativas e administrativas, como a reorganização de fluxos, treinamento e estudos da legislação. Desde setembro, foram realizados sete momentos de escuta com os diversos setores da Escola para conhecer as demandas de cada área. A partir de outubro, começam as ações formativas com os funcionários, que não devem se resumir à consultoria pontual. “A ideia é que seja implementada uma política de longo prazo que prepare a Escola para lidar com as questões que se apresentam agora, mas também com as questões que virão, e que nós não sabemos quais são”, reforça Helena. O público externo também será ouvido numa série de diálogos, seguida de eventos e outras atividades.

QUESTÕES DO TEMPO PRESENTE

A importância de construir uma assessoria específica para lidar com as questões da diversidade, no âmbito do serviço público e numa instituição como o Porto Iracema das Artes, é ressaltada por Helena Vieira. Para ela, demonstra uma vontade institucional de construir práticas mais alinhadas com as questões e os sujeitos do tempo presente. “Sujeitos que têm trajetórias localizadas, seja pela identidade, seja pela classe social etc. E essa localização pode desempenhar, em processos aparentemente neutros, profundas desigualdades. Então é muito importante porque é uma forma de democratizar no sentido mais pleno do termo o acesso à Escola e o acesso à brilhante formação em programas que a Escola oferece”, afirma Helena.

A diretora do Porto Iracema das Artes, Bete Jaguaribe, acentua a importância do processo de instauração da Assessoria, que será orientada por Helena. “O Porto Iracema, enquanto escola de artes, é um lugar de convergência natural das questões do mundo contemporâneo. Portanto, é importantíssimo a criação de um espaço institucional de exercício cotidiano do pensamento sobre expressões das diversidades, em todas as suas dimensões. A integração da pesquisadora Helena Vieira aos processos de formação da escola ocorre num momento estratégico de consolidação do projeto. Estamos muito felizes”, afirma.

Após vivenciar a Escola de diversas formas — participando de palestras, inscrevendo projetos, sendo aprovada para o Laboratório de Teatro —, Helena fala da importância desse retorno à frente da Assessoria para Cultura da Diversidade. “É muito interessante voltar agora com esse trabalho porque já transitei pelas dificuldades, por exemplo, que uma pessoa trans pode passar nesse tipo de espaço. Então, me permite olhar para essa escola, olhar para esse espaço e para essa tarefa que tenho agora de muitos pontos de vista, como se houvessem muitas posições em um mesmo corpo. O que é muito rico”, avalia. “Já guardava um carinho pela Escola, pelo papel que ela cumpre, então também me sinto com um dever ainda maior de conseguir construir e implementar uma política que seja efetiva”, conclui.

Sobre Helena Vieira

Helena Vieira é pesquisadora, transfeminista e escritora. Estudou Gestão de Políticas Públicas na USP. Foi colunista da Revista Fórum e contribuiu com diversos meios dê comunicação como o Huffpost Brasil, Revista Galileu ( matéria de capa sobre transexualidade), Cadernos Globo ( Corpo: Artigo Indefinido), Revista Cult e Blog Agora É que São Elas da Folha de São Paulo. Foi consultora na novela a Força do Querer da Rede Globo. Recentemente, foi co-autora dos livros ” História do Movimento LGBT ” organizado por Renan Quinalha e James Green, ” Explosão Feminista” organizado por Heloísa Buarque de Holanda, ” Tem Saída? Ensaios Críticos sobre o Brasil”, organizado por Rosana Pinheiro Machado e ” Ninguém Solta a Mão de Ninguém: Um manifesto de resistência”, da editora Clarabóia. Dramaturga, fez parte do projeto premiado pela Focus Foundation na categoria Artes Cenicas” Brazil Diversity”, em Londres, com a peça ” Ofélia, the fat transexual”.

Desenvolveu junto ao Laboratório de Criação do Porto Iracema das Artes, pesquisa dramatúrgica intitulada “Onde estavam as travestis durante a Ditadura?”.

Sobre a Escola

O Porto Iracema das Artes é a escola de formação e criação em artes do Governo do Estado do Ceará, ligada à Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sob gestão do Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, há sete anos desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de Cursos Básicos e Técnicos, além de Laboratórios de Criação. Todas as ações oferecidas são gratuitas.

 

Equipe de Assessoria de Comunicação do Porto Iracema das Artes | Assessora de imprensa: Raphaelle Batista | Publicado em 01/10/2020