Negritude feminina na Tribo Kariri – Crato (CE)

Projeto: Negritude feminina na Tribo Kariri – Crrato(CE)

Proponente e colaboradores: Lucivania Lima, Lorenna Gonçalves, Jordlyane Almeida, Carla Hemanuela, Jaque Rodrigues, Cléo Zeferino, Halessa Alencar e Maria Macêdo

Resumo do projeto:
Problematizar o lugar da mulher negra na região do Kariri evidenciando as potencialidades de “corpos ancestrais” é o foco de estudo das pesquisadoras, artistas negras, nascidas nesta região. As histórias da Beata Maria de Araújo (beata do milagre acontecido em Juazeiro), Mestra Margarida (guerreira) e Mestra Edite (dança do coco) são pontos de partida para alimentar o desejo de construir uma dramaturgia “corpo-oral”.

Tutora: Onisajé (Fernanda Júlia)

Minibio: ONISAJÉ (Fernanda Júlia) é Yakekerê (mãe pequena, segunda sacerdotisa do terreiro) no Ilê Axé Oyá L´adê Inan, graduada no Bacharelado em Direção Teatral da Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestre em Artes Cênicas pelo Programa de Pós graduação em Artes Cênicas – PPGAC – UFBA, com a dissertação “Ancestralidade em cena: Candomblé e Teatro na formação de uma encenadora”. Atualmente é doutoranda no mesmo programa, foi professora substituta da Escola de Teatro da UFBA nos cursos de Direção, Interpretação e Licenciatura. Diretora fundadora do Núcleo Afro brasileiro de Teatro de Alagoinhas – NATA. Dramaturga, preparadora de atores, educadora e pesquisadora da cultura africana no Brasil com ênfase nas religiões de matriz africana.