Laboratório de Cinema do Ceará abre vaga para um roteirista do Norte, Centro-Oeste, Sul ou Sudeste do Brasil

Helena Solberg, única cineasta mulher do cinema novo brasileiro.

Além de contemplar projetos do Ceará e do Nordeste, a partir desta edição será concedida bolsa para um roteirista de uma das outras quatro Regiões do Brasil. Por meio da parceria do Laboratório com o Instituto Olga Rabinovich, os participantes ainda concorrem, ao final, ao Projeto Paradiso. As inscrições seguem até 31 de março.

Com a proposta de desenvolver roteiros para filmes de longa-metragem do gênero ficção, sob tutoria de grandes nomes do cinema nacional, o Laboratório de Cinema do Porto Iracema das Artes, escola de criação e formação em artes do Governo do Estado do Ceará, chega à sétima edição expandindo o seu alcance. Além da seleção de projetos do Ceará e do Nordeste, agora será selecionado também um projeto de roteiro proveniente das outras quatro regiões brasileiras – Norte, Sul, Sudeste ou Centro-Oeste. As inscrições são gratuitas e seguem abertas até o dia 31 de março, exclusivamente, no site da Escola.

Iniciado em 2013, o Laboratório de Cinema está alocado no Centro de Narrativas Audiovisuais do Porto Iracema das Artes – CENA 15, em Fortaleza, capital cearense. Por meio de um programa de formação que inclui tutorias mensais e assessorias semanais de roteiros, além de oficinas e aulas abertas com foco na escrita cinematográfica, foram desenvolvidos 34 roteiros ao longo das seis edições do Lab. Destes, quatro já foram filmados, seis estão em fase de pré-produção e nove foram contemplados em editais públicos. Os roteiros saídos do Lab também tiveram mais de 20 participações em outros laboratórios de roteiro do Brasil e do mundo, e os filmes resultantes participaram de mais de 30 festivais e mostras de cinema nacionais e internacionais, conquistando 23 prêmios em festivais.

Sob a tutoria dos cineastas Karim Aïnuz (CE), Nina Kopko (PR) e Sérgio Machado (BA), os roteiristas selecionados trabalham, durante sete meses (de julho a dezembro), questões voltadas à estrutura dramatúrgica de seus projetos: criação de personagens de ficção, construção dos beats da história e da escaleta, das cenas e de seus conflitos, formatação dos roteiros, além de outras etapas que tangenciam a criação de histórias para o cinema. O objetivo é contribuir para a formação e a atuação profissional de roteiristas brasileiros no mercado audiovisual, ao ampliar as habilidades técnicas e narrativas dos participantes.

Na 7ª edição, em 2019, serão escolhidos seis projetos ao todo: quatro do Ceará, um do Nordeste (com exceção do Ceará) e um a nível Nacional (com exceção do Nordeste). Podem se inscrever no Laboratório de Cinema os roteiristas com mais de 18 anos, residentes no Ceará, no Nordeste ou no Brasil – a depender da modalidade – há no mínimo dois anos e que não tenham participado como proponentes ou artistas-colaboradores nas últimas duas edições dos Laboratórios de Criação da Escola Porto Iracema das Artes.

Para conferir todo o regulamento, clique AQUI.

INCENTIVO

Até 2018, o Laboratório de Cinema deu suporte formativo para que 68 jovens roteiristas escrevessem os seus primeiros longas-metragens de ficção, documentários ou híbridos, e até mesmo séries de TV, sempre com ajuda de custo mensal para desenvolvimento dos projetos. Assim como vem acontecendo na modalidade Nordeste, a Nacional concederá uma ajuda de custo no valor de R$ 1.800,00 ao proponente do projeto durante todo o período do Laboratório, com o objetivo de dar suporte aos gastos com transporte e estada em Fortaleza, durante as semanas de atividades. Já os roteiros da modalidade Ceará receberão uma ajuda de custo mensal de R$ 800,00 para cada um dos dois roteiristas aprovados por projeto. Na modalidade Ceará, além do roteirista proponente, é obrigatória a participação de um roteirista colaborador. Nas modalidades Nordeste e Nacional só é permitida a inscrição de um roteirista proponente.

Dos R$ 300 mil investidos em bolsas de estudos para roteiristas nos últimos seis (6) anos, R$ 8.881.874,03 milhões de reais retornaram em valores captados em editais voltados à produção audiovisual, ou seja: a cada real investido de verbas públicas, 30 vezes mais retornaram em verba para produção e, por consequência, para a geração de postos de trabalho no audiovisual.

Além do valor recebido mensalmente, desde a última edição, em 2018, os roteiristas do Laboratório de Cinema do Porto concorrem ao Projeto Paradiso, do Instituto Olga Rabinovich. A instituição filantrópica, sediada em São Paulo, concede aos roteiristas escolhidos um aporte mensal de R$ 5 mil, durante seis meses, para que estes possam se dedicar ao desenvolvimento e aprimoramento do roteiro escrito no Lab Cinema. O roteiro de Campo Amor Rocha, de Thaís Forte e Yuri Peixoto, foi o projeto vencedor do prêmio na última edição, dando o pontapé do primeiro ano de parceria entre a escola e o Instituto. O projeto será agora acompanhado, de janeiro a junho deste ano, pelo tutor Aleksei Abib.

PITCHING

Ao final da escrita, todos os participantes apresentam publicamente as suas histórias de forma criativa para o público e importantes produtores convidados do Brasil e do mundo, num evento intitulado de Pitching de Roteiros, realizado no Cinema do Dragão, em Fortaleza. Trata-se, portanto, de uma experiência inédita e de lançamento exclusivo de novas histórias no circuito do cinema e audiovisual brasileiros, inserida no Nordeste do país.

Desde a 4ª edição do Laboratório de Cinema (2016), a Escola Porto Iracema das Artes/Instituto Dragão do Mar passou a premiar os projetos de roteiro, a partir da escolha do júri oficial do pitching, com a ida a algum evento significativo para o mercado de roteiros no Brasil. A partir da 5ª edição do Laboratório de Cinema (2017), o Instituto Dragão do Mar também concede, aos dois projetos de roteiros cearenses mais votados pelo público durante o pitching, o prêmio de um ano de entrada gratuita no Cinema do Dragão, o principal espaço de exibição de cinema independente do estado do Ceará, hoje sob a curadoria de Pedro Azevedo.

Entre os produtores que já vieram a Fortaleza para avaliar os roteiros, destaque para Caio e Fabiano Gullane (Gullane Entretenimento), Alice Braga (Los Bragas), Max Eluard (produtor independente), Ilda Santiago (Festival do Rio e Pagu Filmes), Paula Consenza (Bossa Nova e Paris Filmes), Jerome Merle (Fox Brasil) e João Jr (Carnaval Filmes).

SOBRE OS TUTORES

De 2013 a 2017, nas cinco primeiras edições, todos os projetos participantes foram tutoriados por Karim Aïnouz, Marcelo Gomes e Sérgio Machado, cineastas brasileiros reconhecidos internacionalmente e com grande experiência que, junto com o Porto Iracema das Artes/Instituto Dragão do Mar, plantaram a semente deste Lab em Fortaleza. Em 2018, a cineasta Nina Kopko foi convidada para integrar o trio de tutores, agora junto com Karim e Sérgio.

Karim Aïnouz – Natural de Fortaleza e radicado em Berlim, é diretor de cinema e artista visual. Realizou, em 2015, o documentário Velázquez ou o Realismo Selvagem, que estreou no Grand Palais em Paris e foi exibido no canal francês ARTE. Em 2014, seu longa-metragem Praia do Futuro estreou mundialmente na Competição Oficial do 64° Festival de Berlim junto de Cathedrals of Culture, filme em 3D produzido por Wim Wenders, que estreou na sessão Panorama do Festival de Berlim (Berlinale). Seu primeiro longa-metragem, Madame Satã, estreou na mostra Un Certain Regard do Festival de Cinema de Cannes em 2002. Seus longas seguintes, O Céu de Suely e Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (co-dirigido com Marcelo Gomes) estrearam no Festival de Veneza na Mostra Orizzonti em 2006 e 2009, respectivamente. Em 2008, dirigiu a série de 13 episódios Alice para a HBO Latin America. Em 2011, O Abismo Prateado teve sua estreia mundial em Cannes na Quinzena dos Realizadores e recebeu o prêmio de Melhor Diretor no Festival do Rio. Aïnouz é ainda co-roteirista dos filmes Abril Despedaçado, de Walter Salles, Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes, e Cidade Baixa, de Sérgio Machado. Em 2018, seu mais recente documentário, Aeroporto Central THF, teve sua estreia mundial na Mostra Panorama do 68° Festival Internacional de Cinema de Berlim, onde recebeu o Prêmio Anistia Internacional. Em 2018, dirigiu a livre adaptação do livro A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha, para os cinemas, com produção de Rodrigo Teixeira, da RT Features.

Nina Kopko – Natural do Paraná e radicada em São Paulo, é formada em Cinema pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atua nas áreas de direção, preparação de elenco, roteiro e montagem. Entre suas principais realizações, destacam-se: a direção assistente do longa-metragem A Vida Invisível (dir. Karim Aïnouz, 2019) e de O Silêncio do Céu (Marco Dutra, 2016); a preparação de elenco do filme Dentes (Pedro Arante e Júlio Taubkin, 2019); a montagem do documentário Operações de Garantia da Lei e da Ordem (Julia Murat e Miguel Ramos, 2017) e de Nós (Pedro Arantes, 2018); a assistência de direção e colaboração do roteiro de Guigo Offline (René Guerra, 2017) e a assistência de direção e pesquisa da série HQ – Edição Especial (Angelo Defanti, HBO, 2016). Foi também supervisora de desenvolvimento de projetos da produtora RT Features entre 2014 e 2015. No momento é tutora do Laboratório de Cinema da Escola Porto Iracema das Artes e trabalha no desenvolvimento de seus projetos pessoais de direção.

Sérgio Machado – Natural de Salvador e radicado em São Paulo, seus primeiros trabalhos no cinema foram como assistente de direção nos filmes Central do Brasil (1998), O Primeiro Dia (1999) e Abril Despedaçado (2001), todos sob direção de Walter Salles. Foi co-roteirista do longa-metragem Madame Satã (2002), de Karim Aïnouz, e roteirista da série televisiva Os Pastores da Noite (2002), da Rede Globo de Televisão. Cidade Baixa (2005), seu primeiro longa de ficção, foi vencedor de 30 prêmios no Brasil e exterior, entre eles: o Prêmio da Juventude no Festival de Cannes e os prêmios principais dos Festivais do Rio de Janeiro, de Huelva, Verona e Mons. Dirigiu também o longa metragem de ficção Tudo que Aprendemos Juntos (2015), vendido para mais de 25 países, e o documentário A Luta do Século (2016), ambos premiados em festivais e mostras de cinemas nacionais e internacionais. Em 2018, dirigiu (junto com Aly Muritiba) e roteirizou (junto com George Walker e Pedro Perazzo) a série televisiva Os Irmãos Freitas, sobre o ex-boxeador baiano Popó. No presente momento, está trabalhando em parceria com Walter Salles na animação A Arca de Noé, inspirada nos poemas infantis de Vinicius de Moraes e numa adaptação para as telas do conto O Adeus do Comandante, do escritor amazonense Milton Hatoum.

SOBRE O PORTO IRACEMA DAS ARTES E OS LABORATÓRIOS DE CRIAÇÃO 

O Porto Iracema das Artes é uma instituição da Secretaria da Cultura do Ceará, gerida em parceria com o Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de cursos básicos e técnicos, além de Laboratórios de Criação. Além do Lab Cinema, há mais quatro Laboratórios nas áreas de Artes Visuais, Dança, Música e Teatro. Espaços de investigação e desenvolvimento de projetos artísticos, eles funcionam em regime de imersão, por meio de processos formativos de excelência. Apenas o Lab Cinema seleciona projetos para além do Ceará.

ALGUNS FILMES DESENVOLVIDOS A PARTIR DO LAB CINEMA

Longa-metragem Inferninho (2018), dirigido por Guto Parente e Pedro Diógenes. Seleção Oficial do 47º Festival de Roterdã, mais de 15 participações em festivais do Brasil e do mundo e 18 premiações, incluindo a de melhor filme, direção, imagem, ator (Yuri Yamamoto), trilha sonora original e direção de arte.

Curta-metragem Abissal (2016), dirigido por Arthur Leite. Derivado do projeto de longa Caminho de Volta, recebeu o Prêmio de Melhor Curta Brasileiro no 21º É TUDO VERDADE – Festival Internacional de Documentários, foi Pré-qualificado ao Oscar 2017 na categoria Melhor Curta Documentário e venceu mais de 10 prêmios em festivais do Brasil.

Longa-metragem documental Casa (2019), de Letícia Simões. Projeto contemplado com uma bolsa para a diretora cursar a Maestría de Cine Ensayo da Escuela Internacional de Cine y TV (EICTV), em Cuba. Foi também selecionado no Laboratório de roteiro Rough Cut lab, em Montevideo, venceu a chamada pública BRDE/FSA Prodecine 05 – FSA para obras de experimentação artística e participou ainda da plataforma de desenvolvimento de projetos Cinéma en Développement, do Festival de Toulouse. Está com o lançamento previsto para 2019, com a produção da empresa recifense Carnaval Filmes.

SERVIÇO

O que: Laboratório de Cinema do Ceará abre vaga para um roteirista do Norte, Centro-Oeste, Sul ou Sudeste do Brasil
Quando: Inscrições seguem até 23h59min de 31 de março de 2019
Onde: http://inscricoesportoiracema.org.br/laboratorios/
GRATUITO