Grupo Murmurando, integrante do Laboratório de Música 2015, representa o Ceará em festival de choro na França

Arquivo / 2015

Artistas apresentarão disco autoral e farão masterclass de choro

O mais antigo ritmo genuinamente brasileiro tem representantes cearenses na segunda edição do Lille Choro Festival, que acontece nos dias 15 a 17 de março na cidade de Lille, na França. O quarteto instrumental Murmurando vai apresentar o CD “Assovio do Tiê” (2016), gravado de forma independente. Na ocasião, Samuel Rocha, violonista e principal compositor do grupo, vai oferecer uma masterclass de choro para violonistas.

Sob tutoria de Zé Nogueira, o grupo participou do Laboratório de Música da Escola Porto Iracema das Artes no ano de 2015 com o projeto Aquarela Cearense, que reúne composições de choro, gafieira, baião e outros ritmos de autoria assinada por Samuel Rocha e Giltácio Santos, além de músicas de grandes mestres brasileiros. Formado por Cleylton Gomes (flauta transversal e flautim), Giltácio Santos (clarinete), Lauro Viana (cavaquinho) e Samuel Rocha (violão de 7 cordas) e Tauí Castro (pandeiro), o grupo tem repertório composto cada vez mais por músicas autorais.

O disco “Assovio do Tiê” foi o escolhido para representá-los no momento, uma vez que o trabalho procura mostrar a força do choro cearense e o valor de uma nova geração de músicos preocupada em perpetuar esse ritmo no tempo presente, ao passo em que também traz renovação musical. O título do CD é tema de uma composição de Samuel Rocha dedicada ao seu pai, Demontiê, carinhosamente chamado de Tiê, nome que também batiza um pássaro cujo canto é considerado “belíssimo” pelo grupo – daí ao nome do disco ser também uma reverência à fauna brasileira.

Sobre o evento

Primeiro festival francês de choro fora de Paris, o Festival de Choro de Lille tem o objetivo de oferecer ao público concertos de artistas brasileiros em uma proposta pluridisciplinar. A programação também inclui nove masterclasses, exibição do filme “Encantado, o Brasil em Desencanto” (2018), com presença de seu diretor, Filipe Galvon, além de dois bate-papos. Rodas de choro com músicos profissionais e alunos amantes desse ritmo encerram as noites do evento.

Celebrado em ocasião dos 50 anos da morte do Jacob do Bandolim (1969-2019) e dos 65 anos de carreira do trombonista e saxofonista brasileiro Raul de Souza, padrinho do evento, o festival foi idealizado em 2018 pelo músico cearense Roberto Oliveira, que assume a direção artística. A temática envolve o choro tradicional e contemporâneo, exemplificado no bandolinista Hamilton de Holanda, os choros de Villa-Lobos e a perspectivas do mercado da música no Brasil.

O grupo Murmurando, que já dividiu palco com grandes nomes da música instrumental brasileira, como Gilson Peranzetta e Mauro Senise, em 2011, e Alexandre Ribeiro e Zé Nogueira, em 2015, levará o choro e a música instrumental cearense ao festival com o apoio da Editora Imeph e da Prefeitura de Fortaleza.

Sobre o Murmurando

O Grupo Murmurando foi criado em Fortaleza no ano de 2006 como um conjunto de choro. Foi destaque na Plataforma de Circulação de Música e Artes Cênicas em 2014/2015, projeto patrocinado pela Petrobras. Em 2015, abriu o Festival Choro Jazz em Fortaleza e o show do Hermeto Pascoal, na primeira edição do mesmo festival, em Barra Grande – PI. No ano seguinte, participou da Maloca Dragão. Em 2016, foi a vez do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), em Pernambuco, recebê-los. No mesmo ano, abriu o show de Tom Zé no Festival Conecta. Na Mostra Petrúcio Maia de 2017, o Murmurando ficou entre os seis finalistas e representou o Ceará no II Festival do Choro João Pernambucano, em Recife, no ano de 2018.

Assessoria de Comunicação do Porto Iracema das Artes | Lucas Casemiro

Publicado em 14/03/2019