Dramaturgias da Água e da Seca

Dramaturgias da Água e da Seca

Artistas/pesquisadores: Nelson Albuquerque, Denise Costa, Silvianne Lima, Jota Júnior Santos, Eliel Carvalho, Alessandra Eugênio e Beethoven Cavalcante.

Inspirados na crise hídrica cearense e tendo como mote a obra O Quinze, de Rachel de Queiróz, o Pavilhão da Magnólia aproxima o debate científico da criação artística numa abordagem contemporânea. O projeto envereda por uma pesquisa de ator-manipulador e objeto-boneco, até então, não experimentada pelo grupo.

Tutor:

Miguel Vellinho – Tutor do projeto Dramaturgia da “Água e da Seca”, de Nelson Albuquerque, Denise Costa, Silvianne Lima, Jota Júnior Santos, Eliel Carvalho, Alessandra Eugênio e Beethoven Cavalcante 

É Doutorando e Mestre em Teatro pelo Programa de Pós-Graduação em Teatro (PPGT) da UNIRIO e professor adjunto do curso de Ensino de Teatro da UNIRIO onde leciona as cadeiras de Teatro Infanto-juvenil (TIJ) e Teatro de Formas Animadas (TFA).

Foi fundador do Grupo Sobrevento e desde a década de 1990 ministra oficinas e participa de palestras e mesas redondas em várias cidades do país. Tem artigos publicados no Brasil e no exterior sobre aspectos do Teatro de Animação e é membro do conselho editorial da revista Móin-móin, editada pela UDESC, desde a sua criação. Em 1999 fundou a Cia PeQuod – Teatro de Animação que conta hoje com um repertório sólido de onze espetáculos premiados e elogiados pela crítica.

Em 2009 participou do espetáculo Primeiras Rosas, da Cia. Pia Fraus, dirigindo o segmento A terceira margem do rio, estreado em São Paulo. Dirigiu em 2011 o monólogo com a atriz Lorena da Silva, As Regras da Arte de Bem-viver na Sociedade Moderna, do autor francês Jean-Luc Lagarce.  Em 2013, dirigiu O que é suficiente? com o Grupo de Teatro Rerigtiba, de Anchieta/ES. Em 2015 dirigiu Ogroleto, de Suzanne Lebeau, com o grupo Pavilhão da Magnólia, em Fortaleza/CE.