Cineclube Âncora apresenta em agosto mostra “Memórias sobre Cárcere”

Foto de “Tear” (2013)

A programação tem curadoria de Jonas Souza, que participou da oficina “O Cinema Brasileiro Nasceu no Cineclube”, ministrada no Porto Iracema em julho

A mostra deste mês do Cineclube Âncora tem como tema “Memórias sobre Cárcere”, sob curadoria de Jonas Souza. As sessões são fruto da oficina “O Cinema Brasileiro Nasceu no Cineclube”, ministrada no Porto Iracema das Artes em julho deste ano, na programação de férias da Escola. A formação propôs aos participantes, a partir das provocações desenvolvidas na oficina, que cada um fizesse a curadoria de sua própria mostra de cinema e, por fim, uma delas seria selecionada para integrar a grade de atividades comemorativas dos 6 anos do Porto.

Gratuitas e abertas ao público, as sessões acontecerão nos dias 14, 21 e 28 de agosto, no Auditório da Escola Porto Iracema das Artes, sempre a partir das 18h. Intitulada “Memórias sobre Cárcere”, a mostra deste mês reúne filmes que contam casos do Golpe Militar e tem como proposta dialogar com parte da sociedade que renega a existência desse período, apresentando a história por meio de filmes, resgatando memórias e propondo novos debates sobre esse acontecimento histórico.

A primeira sessão acontece no dia 14 de agosto, com as exibições dos curtas “Tear “, de Taiane Linhares, “Silva”, de Beto Sporkens, e de “Uma Família Ilustre”, de Beth Formaggini. No dia 21 de agosto, na segunda sessão, tem a exibição de “Trago Comigo”, de Tata Amaral. Por fim, no dia 28 de agosto, o Cineclube Âncora exibe “Que Bom Te Ver Viva”, de Lucia Murat.

Confira as sinopses dos filmes da primeira sessão:

Sessão 01 – 14 de agosto

“Tear (2013)”, de Taiane Linhares – 15 minutos

Sinopse: O documentário Tear insere o pacato distrito de Santo Aleixo, cidade de Magé, Baixada Fluminense, RJ, no agitado contexto da ditadura civil militar. Uma trama com greves, prisões e torturas, relacionadas ao golpe de 64 e ao movimento trabalhista atuante na época, reconstruída através de um mergulho íntimo e sentimental nas memórias de operários da indústria têxtil e moradores do local.

“Silva (2011)”, de Beto Sporkens – 18 minutos

Sinopse: Uma surpreendente história em 3 atos de um dos integrantes da primeira geração de crianças órfãs e abandonadas criadas pela Febem durante o regime militar.

“Uma Família Ilustre (2015)”, de Beth Formaggini – 18 minutos

Sinopse: Conversa entre Cláudio Guerra, ex-delegado da Polícia Civil que assassinou e incinerou militantes contrários à ditadura, e o professor Eduardo Passos, psicólogo clínico que trabalha com direitos humanos.

Sessão 2 – 21 de agosto

“Trago Comigo (2016)”, de Tata Amaral – 84 minutos

Sinopse: Telmo, um diretor de teatro aposentado, foi membro da luta armada durante a ditadura militar e chegou a ser preso por seis meses por conta disso. Porém, ele não consegue se lembrar de nada desse período, além de alguns lapsos momentâneos. Para tentar reativar sua memória e descobrir o que aconteceu, ele decide criar uma peça de teatro. Contando com um jovem elenco de atores, Telmo vai reconstruir a sua própria história.

Sessão 3 – 28 de agosto

“Que Bom Te Ver Viva (1989)”, de Lucia Murat – 100 minutos

Sinopse: Ex-presas políticas da ditadura militar brasileira analisam como puderam enfrentar as torturas e prisões, relatando as situações e como sobreviveram a esse período, onde delírios e fantasias são recorrentes. O filme intercala cenas documentais com um monólogo ficcional, que é um amálgama dos relatos e das memórias dessas corajosas mulheres.

Serviço

O quê: Cineclube Âncora apresenta em agosto mostra “Memórias sobre Cárcere”
Quando: 14, 21 e 28 de agosto, a partir das 18h
Onde: Auditório do Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, nº 160 – Praia de Iracema)
GRATUITO

 

Assessoria de Comunicação do Porto Iracema das Artes | Glauber Sobral

Publicado em 08/08/2019