Cena Cineclube inicia o ano com o ciclo “Influências Fílmicas”, em fevereiro

Frame do filme “A Forma da Água”

Em caráter excepcional, mês terá sessões semanais, em vez de quinzenais

Com foco nos filmes que serviram de referência à escrita dos roteiros da última edição do Laboratório de Cinema do Porto Iracema das Artes, o Cena Cineclube inicia 2019 com uma programação semanal para o mês de fevereiro. Com exibições às terças-feiras, sempre às 19h e seguidas de debate, as sessões serão programadas pelos roteiristas formados na 6ª turma do Laboratório, em 2018. Intitulado “Influências fílmicas”, o ciclo terá sua sessão de estreia no dia 5 de fevereiro, com o longa vencedor do Oscar “A Forma da Água” (2017), de Guillermo del Toro, programado por Abdiel Anselmo e Mozart Freire. As sessões deste mês acontecerão no pátio do Porto.

Segundo os programadores da primeira sessão, Abdiel Anselmo e Mozart Freire, que são autores do projeto “O ovo do Rei Caranguejo”, a escolha do filme se deu “pela oportunidade de apresentar e discutir a linha tênue entre o realismo e o fantástico dentro do cinema de gênero”.

Seguindo com as exibições, no dia 12 será exibido “Minha Terra, África” (dir. Claire Denis, 2009), programado pelas roteiristas Camila Chaves e Natália Maia (autoras do projeto “Noite ao Relento”). No dia 19 será a vez de “Minha Irmã” (dir. Ursula Meier, 2012), programado por Thaís Forte e Yuri Peixoto (autores do projeto “Campo Amor Rocha”). E, encerrando o ciclo, na última terça-feira de fevereiro, dia 26, tem a exibição de “Quanto mais quente melhor” (dir. Billy Wilder, 1959), programado por Natália Lima e Pedro Palácio (autores do projeto “Fortaleza Miami”).

SINOPSES

A FORMA DA ÁGUA, Dir. GUILLERMO DEL TORO (Estados Unidos, 123 min, 2017)

Em meio aos conflitos políticos e as grandes transformações sociais ocorridas nos Estados Unidos durante a Guerra Fria, Elisa (Sally Hawkins), zeladora em um laboratório experimental secreto do governo, conhece e se afeiçoa a uma criatura fantástica mantida presa no local. Para elaborar um arriscado plano de fuga, ela recorre a um vizinho (Richard Jenkins) e à colega de trabalho Zelda (Octavia Spencer).

Frame do filme “Minha Terra, África”

MINHA TERRA, ÁFRICA, dir. CLAIRE DENIS (França/Camarões, 102 min, 2009)

Um país africano é devastado por constantes rebeliões. Maria Vial (Isabelle Huppert) vive com seu marido André (Christopher Lambert) e o filho Manuel (Nicolas Duvauchelle) em uma fazenda, localizada na província onde nasceu um dos principais líderes do conflito. Apesar do perigo constante que os cerca, ela se recusa a deixar as plantações de café, que estão em sua família há três gerações. Até que André, sem que ela saiba, começa a arquitetar um meio para que deixem o local.

Frame do filme “Minha Irmã”

MINHA IRMÃ, dir. URSULA MEIER (França/Suiça, 97 min, 2012)

Simon (Kacey Mottet Klein) é um garoto de 12 anos que comete pequenos roubos em uma estação de esqui. Ele mora com a irmã, Louise (Léa Seydoux), e vende os produtos roubados para vizinhos do conjunto habitacional em que vive. Quando Louise perde o emprego, ela passa a depender dos ganhos do irmão. Só que o tempo passa e ela, sem perceber, fica cada vez mais dependente dele.

Frame do filme “Quanto mais quente melhor”

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR, Dir. BILLY WILDER (Estados Unidos, 120 min, 1959)

Após testemunhar um assassinato da máfia, o saxofonista Joe (Tony Curtis) e seu velho amigo Jerry (Jack Lemmon) improvisam um plano rápido para escaparem vivos de Chicago. Disfarçando-se como mulheres, eles se juntam a uma banda de jazz onde todos os membros são do sexo feminino e pegam um trem com destino à ensolarada Flórida. Enquanto Joe finge ser um milionário para ganhar Sugar (Marilyn Monroe), a cantora sexy da banda, Jerry vê-se perseguido por um verdadeiro milionário. Este filme é considerado uma das melhores comédias de todos os tempos.

 

SOBRE OS PROGRAMADORES

Abdiel Anselmo é graduando em Letras pela Universidade Estadual do Ceará. Foi roteirista da websérie Casa de Fran (Secult Cinema e Vídeo, 2014) e fez o curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes, no qual trabalhou na pós produção dos curtas-metragens: Cinemão (2015) – Prêmio de Melhor Curta do júri oficial da Mostra Olhar do Ceará, no 26° Cine Ceará; e Janaína Overdrive (2016), que recebeu Menção Honrosa pela interpretação da atriz Layla Kayã Sah, no Festival do Rio (2016).

Mozart Freire é graduado em Ciências Sociais e mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará. Fez o curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes, no qual foi roteirista e diretor dos curtas: Cinemão (2015) – Prêmio de Melhor Curta do júri oficial da Mostra Olhar do Ceará, no 26° Cine Ceará; e Janaína Overdrive (2016), que recebeu Menção Honrosa pela interpretação da atriz Layla Kayã Sah, no Festival do Rio (2016).

Natália Maia é jornalista formada pela Universidade Federal do Ceará, diretora e roteirista. Integra as produtoras Praia à Noite e Bordo Filmes. É criadora das séries Os Herdeiros (Secult 2014 e 2015) e de Lana & Carol (Tv Brasil). Integrante do Núcleo de Roteiros da Tardo Filmes, roteirizou o curta Biquíni Paraíso (2015) e o longa Pacarrete (2019). Em 2019, dirigirá os filmes Fortaleza Liberta (Secult 2016) e Muxarabi (Secultfor 2018).

Camila Chaves é Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará e graduada em Relações Públicas pela Universidade Federal do Maranhão. Desenvolve trabalho e militância junto a comunidades, sindicatos e movimentos sociais. É autora de diversos textos literários, organiza o Coletivo Delirantes de Escritoras e Escritores e integra o Ateliê de Narrativas Socorro Acioli.

Thaís Forte é graduanda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Expôs a videoinstalação Feeling Azulzim (2017) no 68o Salão de Abril Sequestrado. Pesquisadora no campo da Arte e da Psicanálise, concluiu, em 2018, uma investigação realizada por dois anos e intitulada de Caravaggio e o corte na carne do tempo.

Yuri Peixoto é realizador e graduando em Cinema pela Universidade Federal do Ceará. Participou como curador do Festival de Cinema de São Miguel do Gostoso e do Circuito Penedo de Cinema. Programou, com a Vila das Artes, as mostras Nová Vlna, Corpo Audiovisual e Ritmos, Movimentos, Intervalos e Mudanças. Realizou os curtas Travessia (2017), Sete cigarros no bolso (2016), Feeling Azulzim (2017), entre outros trabalhos.

Natália Lima é graduada em Cinema e mestranda em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará. Além de atuar como pesquisadora, roteirizou e dirigiu os curtas Maria Auxiliadora (2016) e Kid A (2016).

Pedro Palácio é formando em Cinema pela Universidade Federal do Ceará. Atua como diretor de cena, de fotografia e de arte. Realizou o documentário Muros (2016), exibido na Mostra de Filme Livre, e dirigiu a fotografia de Maria Auxiliadora (2016), selecionado no 27° Cine Ceará. Integrou também a equipe de arte da animação Blwarh! Navegando no Deserto (2018), selecionada para o 3° Festival Internacional de Cine de Quito.

CENA CINECLUBE
O Cena Cineclube é um espaço de exibição pública e gratuita de filmes que acontece quinzenalmente, às terças-feiras, no prédio histórico do Centro de Narrativas Audiovisuais, o CENA 15. Ele tem como proposta estimular a formação de público e de repertório através do encontro da cena de fazedores e pensadores do cinema, convidados a programar as sessões, com o público da cidade interessado em debater os diversos cinemas do mundo.

 

SERVIÇO
O que: “Cena Cineclube inicia o ano com o ciclo “Influências Fílmicas”, em fevereiro”
Quando: Todas as terças-feiras de fevereiro (5, 12, 19 e 26), às 19h
Onde: Pátio do Porto (R Dragão do Mar, 160 – Praia de Iracema)
GRATUITO

Assessoria de Comunicação Porto Iracema das Artes | Mykeguilherme

Publicado em: 28/01/2019