Artistas do Laboratório de Música do Porto Iracema realizam shows na 6ª edição da MOPI

Projeto “Horizone Aparente”, Laboratório de Música 2018. Foto: Joyce S. Vidal

As apresentações serão divididas em dois finais de semana. “Arquelano: ainda sou ponto” e “Caboco Eletrônico” se apresentam neste sábado, 8, “Cenas de Ópera” no sábado seguinte, dia 15, e no domingo, 16, é a vez de “Horizonte Aparente”

Composto por projetos que vão da música popular do Cariri à música erudita e do eletrônico experimental ao instrumental, a edição 2018 do Laboratório de Música do Porto Iracema das Artes também apresenta o resultado das investigações artísticas de seus quatro projetos na 6ª edição da Mostra de Artes do Porto Iracema, a MOPI 2018. Os shows serão nos dias 08, 15 e 16 de dezembro, no Porto Dragão e no Teatro da CAIXA Cultural Fortaleza. O acesso é gratuito.

Os quatro projetos do Laboratório de Música foram desenvolvidos ao longo de sete meses e passaram pelo processo de tutoria com grandes artistas do País, solidificando um modelo de imersão artística através de processos formativos em torno das respectivas pesquisas, com orientações individuais, oficinas, palestras e masterclasses. Com propostas bastante distintas, os projetos da 6ª edição do laboratório desenvolveram investigações sobre composição sonora e visual, manifestações de reisado, performance da cultura popular e música eletrônica experimental.

Tradição e experimentação

Projeto “Arquelano: ainda sou ponto”, Laboratório de Música 2018.

O primeiro dia de shows vai acontecer no Porto Dragão (antigo SESC Iracema), a partir das 19h, e terá as apresentações dos projetos “Arquelano” e “Caboco Eletrônico”. Sob tutoria da cantora e compositora carioca, Mahmundi, “Arquelano: ainda sou ponto” é composto por Benjamin Arquelano (vocal, sintetizadores e programação), Théo Fonseca (guitarras) e Emília Schramm (vocal). O projeto explora aspectos minimalistas da música eletrônica experimental a partir da poesia oriunda da vivência de Arquelano, jovem negro e LGBTQ+, costuradas por conceitos vindos de um elemento da imagem: o ponto.

Projeto “Caboco Eletrônico”, Laboratório de Música. Foto: Joyce S. Vidal

Mesclando três vertentes sonoras (tradição, técnica instrumental e eletrônica), o projeto “Caboco Eletrônico” é formado por Expedito do Nascimento, o Mestre Expedito, de larga atuação no Cariri; Di Freitas e o DJ Daniel Lamar. A pesquisa constrói um diálogo entre as tradições de Juazeiro do Norte, como o reisado e a cultura popular com a pesquisa, luthieria e bagagem de instrumentista do músico Di Freitas e as referências modernas do DJ Daniel Lamar. O projeto teve tutoria do DJ Tudo, (a.k.a Alfredo Bello), artista conhecido por pesquisar a música popular brasileira em diversas partes do País.

Música erudita

Projeto “Cenas de Ópera”, Laboratório de Música 2018. Foto: Joyce S. Vidal

O palco do Teatro da CAIXA Cultural Fortaleza vai receber a apresentação do projeto “Cenas de Ópera”, dos artistas Antônio Souza, Liana Fonteles e Giorgi Gelashvili, com participação de Daniel Sombra, Iuri Cavalcanti, Antônio Garcia Junior, Douglas Veras e do pianista Vitor Duarte. Sob a tutoria da cantora, bailarina e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Doriana Mendes, e acompanhamento cênico da cantora cearense Marta Aurélia, “Cenas de Ópera” traz no repertório composições de peça de Mozart, Verdi, Puccini, Purcel, Monteverdi, Handel e do cearense Tarcísio José de Lima (cena da ópera Moacir das Sete Mortes e a Vida Desinfeliz de um Cabra da Peste). A apresentação inicia às 16h e os ingressos serão entregues uma hora antes do início da apresentação, na bilheteria.

Performance e paisagem sonora

Já no dia 16 de dezembro, também às 16h, o Teatro da CAIXA Cultural Fortaleza recebe também a apresentação do projeto “Horizonte Aparente”, dos artistas Ayrton Pessoa Bob, Jônatas Gaudêncio e Raí Santorini, com tutoria do músico e produtor Benjamim Taubkin. Trabalhando com colaborações de texto e performance, o show se constrói numa sobreposição de paisagens e narrativas de viagem, oscilando entre densidade e esvaziamento na composição sonora e visual, abrindo um passeio poético pela mitologia, astronomia e cotidiano.

O projeto é o encontro de dois músicos e um iluminador. Ayrton Pessoa Bob assume o descontrole das programações, do acordeon e das composições, enquanto Jônatas Gaudêncio conduz a vasta sonoridade do clarinete e Raí Santorini cria ambientes visíveis para imersão nas transformações de som-luz. A apresentação contará com a participação dos artistas do projeto “Cavalgada Selvagem”, do Laboratório de Dança 2018: Diogo Braga, Natália Coehl e Thales Luz. Os ingressos serão entregues uma hora antes do início da apresentação, na bilheteria.

Serviço
O quê: MOPI 2018 do Laboratório de Música
Quando: 8, 15 e 16 de dezembro
Onde: Porto Dragão e Teatro da Caixa Cultural
Gratuito

O quê: MOPI 2018 do Laboratório de Música, com os projetos “Arquelano” e “Caboco Eletrônico” 
Quando: 08 de dezembro, a partir das 19h
Onde: Porto Dragão (antigo SESC Iracema) – Rua Boris, 90, Praia de Iracema
Gratuito e aberto ao público

O quê: MOPI 2018 do Laboratório de Música, com o projeto “Cenas de Ópera”
Quando: 15 de dezembro, às 16h
Onde: Teatro da CAIXA Cultural Fortaleza (Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema)
Gratuito e aberto ao público

O quê: MOPI do Laboratório de Música, com o projeto “Horizonte Aparente”
Quando: 16 de dezembro, às 16h
Onde: Teatro da CAIXA Cultural Fortaleza (Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema)
Gratuito e aberto ao público

 

Comunicação Porto Iracema das Artes | Eduardo Sousa

Publicado em 03/12/2018